As Crônicas Anímicas – Zé Calabros na terra dos Cornos

As Crônicas Anímicas – Zé Calabros na terra dos Cornos
(Esse post contém alguns pequenos spoilers. Mas para de mimimi e vai ler!)

“Entre a caatinga e o mar, a Cornália é uma terra hostil, governada por coronéis, ameaçada por cangaceiros e habitada por feras lendárias.”

Pois bem, cabra da peste! Tiago Moreira chega com seu novo trabalho e a Ethernalys não podia deixar de falar sobre isso.

Mas antes, partimos do início.
Tiago Moreira é autor de uns RPGs muito querido pelos membros desse grupo, especialmente por esse que vos redige: “Anjo A Salvação” e “Demônio o Preço do Poder”. Nesses RPGs o autor criou um verdadeiro universo para essas entidades. Cleros, poderes, estereótipos e um excelente background, dando firmamento e sentido a tudo. Como se não bastasse ele ainda escreveu um espetacular romance chamado: Magna Veritas, baseado em seus RPGs. Outros suplementos, romances e contos vieram depois dando continuidade à suas obras. E tudo isso disponível gratuitamente na internet (só pesquisar no google que você acha).
Agora, voltemos para o presente.
As crônicas Anímicas é uma história que mistura a fantasia com a cultura nordestina. Geografia, clima e vegetação. Tudo isso nos leva ao verdadeiro agreste brasileiro, não fosse por aparições de criaturas que não costumamos encontrar por ali. A forma como escreve as falas dos personagens demonstrando bem o dialeto, o jargão nordestino. Por hora parece que estamos no Auto da Compadecida, com trechos de poesia repente, cangaceiros entre outros elementos.
Aí começa o diferencial, quando criaturas fantásticas começam a aparecer. Gigantes, dragões e até elementos mágicos como o “forte da Coronel Malícia”, que acreditem, flutua no ar.
Embora afastado do RPG, o autor não poupou referencias e termos que encontramos nas mesas de jogos (Difícil largar o hobby né, Sr. “Deicide”?). Isso agrada aos jogadores e não restringe a leitura para leigos no assunto.
O cara é gênio! Criou o mundo onde se passa a história, com mapas e informações paralela ao enredo principal. Já era de se esperar isso de quem fez algo parecido em Anjos e Demônios.
E sabe o mais interessante? Está tudo disponível em seu site https://www.as-cronicas-animicas.com/ze-calabros-na-terra-dos-cornos inclusive os primeiros capítulos do livro.
Essa mistura boa de cultura nordestina e fantasia épica colocou Tiago Moreira num patamar mais elevado que outros autores nacionais que publicam àquelas historinhas que já sabemos o final (sem ofensas), e Zé Calabros foge de todos os clichês de literatura fantástica que vemos por ai.
Então, obviamente, depois de ler essa resenha você vai dar uma força para o cara e comprar o livro né? Ele está disponível no site Clube de Autores por um preço mais que justo.
Apoio ao trabalho nacional é uma obrigação que a Ethernalys tem, e assim fazemos.

Rafael Alves

 

 

Diário de Samuel Vohuman, 20/2/2002

Diário de Samuel Vohuman

20 de Fevereiro de 2002:

 “Nomes pouco dizem, a não ser aquilo que eu quero mostrar. O que eu sou? Eu sou o Oitavo Filho. Quem eu sou? Vocês podem me chamar de muitos nomes. Pois de Azazel roubei o nome, e na forma de um bode o usei para ouvir os pecados do homem. Pois antes de Hades assim se chamar, eu mesmo Hades era, e manipulava deuses e deusas de acordo com minha vontade. Também os romanos e os cristãos sussurravam ‘Rex Mundi’, o senhor deste mundo, pois sabiam que minha vontade não devia ser contestada, e que meu real nome deveria ser temido. Pela Idade das Trevas, Næbyrus, Senhor do Profano, fui chamado, e sussurrava nos ouvidos de reis e lordes. Também Mamon foi minha alcunha, e me chamavam de Mestre da Usura, pois pela ganância os homens a mim encontravam, e a mim se entregavam. Nu, eu comparecia aos Sabás com o nome de Leonardo, e, a minhas feiticeiras, milhares temiam. Para muitos, eu sou Nebiros, mas nesta terra, me chamam Íblis Al-Qadim, e é por este nome que mais me temerão”. Continue reading »