Monólogo no plural – Diário de campanha Mundo das Trevas (Ato II)

Ato II
(By Rafael Alves)

Incrível como a possibilidade de boémia faz meu coração acelerar de euforia. Ainda sim pude pagar minha penitência mensal fazendo uma boa doação para uma ONG local que tenho ajudado a alguns anos. Isso também me faz sentir melhor, arrancando momentaneamente a parte fútil e rasa do meu intelecto. É como um equilíbrio de forças que preciso manter dentro de mim.
Obviamente por ser o primeiro dia de acampamento a boémia prevaleceu e eu nem mesmo conferir o UBER que foi me buscar. Entrei e sai do carro como se estivesse passando por um portal no tempo/espaço. Poucas horas depois, percebi que o motorista estava na nossa festa. “Penetra cretino”, seu nome não estava na lista. Na verdade, ele nem mesmo tinha a mesma aparência da foto no aplicativo e aquilo me intrigou bastante. Chamei dois seguranças e fomos procura-lo, mas é claro, ele desaparecera.
A fim de nutrir meu vício fui curtir a festa, afinal meus amigos tinham chegado. Jonny como sempre ficou reservado e custou a sair do quarto. Quando saiu veio com aquele mesmo papo estranho de sonhos, vultos e coisas sobrenaturais. Por incrível que pareça meus amigos estavam mais bêbados que eu e não deram a mínima para o que ele disse. Ricardo acabara de sair de um divórcio e ainda estava tentando encontrar sua ex mulher no fundo de uma garrafa de tequila. Walison o acompanhava, parecendo que não queria fazer aquilo. Lucian se enturmava mas parecia manter o controle sobre o álcool.
Quando tudo parecia estar sob controle, um disparo de arma de fogo ecoou pelo camping. Poucos escutaram devido a música alta, mas como estávamos perto, fomos em direção.
Quando chegamos, encontramos Jonny caído ao chão, diante da porta de sua cabana. Ele estava sem ferimentos mas jurava que tinha sido baleado. Entramos na cabana e não vimos ninguém e quando percebemos o local já não era o mesmo. Engrenagens cobriam teto e paredes de uma forma bizarra e surreal.
Estaríamos em um sonho?

 

Jason A.

 

Monólogo no plural – Diário de campanha Mundo das Trevas

Ato I
(By Rafael Alves)
Eu ainda tento compensar certos vazios em minha existência com noitadas regradas a mulheres e álcool. Um fato curioso já que no dia seguinte essas lacunas ainda estão lá, sem preenchimento completo. Outrora em tempos de faculdade, trocar de curso era minha rota de fuga mais rápida para esse mundo de aceitação do que é novo. Hoje pouco me resta de refúgio abstrato se não a boêmia, qual mergulho sem medo de afogar. Mas nos últimos dias o convite para um acampamento de ex-alunos despertou muitos interesses em mim e talvez seja um alento de maturidade. Ver a evolução de amigos pode ser a guinada que busco em direção ao meu próprio crescimento. De tanta ansiedade pelo evento tive sonhos com o último acampamento que fizemos. Isso seria normal se não fosse por meus amigos mais próximos terem o mesmo sonho. O mais reservado de nós, chamado Jonny, não ficou nada confortável com aquilo e parece buscar respostas. Na falta de argumentos ou ansiedade pelo encontro, muitos de nós também não deram a mínima para esse detalhe sórdido. Só estamos pensando no final de semana e nas loucuras que faremos. Se Jonny se acalmar, também poderá aproveitar bastante, pois as paredes do laboratório estão sufocando sua razão e seu humor. Um pouco de ar puro vai fazer bem para ele.

Jason A.

 

 

Mesa de Anjo A Salvação

Saudações meus caros, estou postando com muito prazer aqui no nosso tópico Diários de Campanha, o prelúdio da 5° sessão de Anjo e algumas fotos , a mesa parece está afiada e bem movimentada, narrada pelo nosso amigo Rafael Alves, que contam aí com os jogadores Ivan Carlos, Denis Washigton, Arnon Malakian, Isac Alves, Vandin Sena, Vagner Oliveira e Ritchie Mizael ( esse não esteve presente nessa sessão ). Continue reading »

MoD: Crônica “Um Novo Despertar” – parte 1

Neste post apresentarei o andamento da  minha crônica de Mago: O Despertar, momentaneamente chamada  “Um Novo Despertar”.

O nome se deve ao fato de que, embora os personagens já terem iniciado a crônica despertos para o mundo superno, só agora eles estão despertando para a sociedade dos despertos, com todas suas tradições, intrigas e conspirações.

A crônica se passa em Boston, basicamente como foi apresentada no Apêndice Dois do livro básico somado com algumas informações do Livro Boston Unveiled, mas sem desconsiderar algumas modificações livres realizadas por mim. Continue reading »